Sua revista online sobre Literatura, Cultura e Entretenimento
“Arte e vida se misturam. Fantasia e realidade se acrescentam.”  (Affonso Romano de Santana)
REPORTAGENS
Ver todas
Publicada/atualizada por Luiz Ehlers em 22/02/2014, às 21:21 | 7 comentários
As Inspirações da Idade Média
Alguns fatos históricos dessa época que inspirou tantas histórias.

Castelos, cavaleiros, espadas e misticismo formam o mundo medieval, que é inspiração e o palco das grandes histórias épicas de fantasia. O Senhor dos Anéis, As Crônicas do Gelo e Fogo, Eragon, Crônicas Saxônicas ou mesmo o clássico Rei Arthur são exemplos de mundos fantásticos com grande influência da Idade Média.

A Idade Média é dos períodos da História que ocorreu entre os séculos V e XV. Por algum tempo ela foi marcada por uma sociedade essencialmente feudalista.  Nela o povo organizava-se nos chamados feudos,  que eram propriedade dos nobres, muitas vezes fortalezas. Os nobres recebiam os feudos do próprio rei como privilégios. Nessas terras habitavam também os servos, que trabalhavam nas terras do senhor feudal em troca de moradia e proteção contra os temidos ataques bárbaros. Essa relação de nobres e servos aparece clara nas Crônicas do Gelo e Fogo de George R. R. Martin, por exemplo, onde cada família governa uma região tem seus respectivos servos. Cada uma das chamadas “casas” são na verdade feudos.

Nesse mundo havia também, é claro, os cavaleiros, que eram as forças militares de seu tempo. Os cavaleiros medievais eram integrantes da nobreza medieval. A princípio, além da origem nobre, um cavaleiro deveria ter treinamento e armas para ascender a tal condição. Por volta dos sete anos de idade, o jovem nobre iniciava a sua formação de cavaleiro. Ele aprendia sobre equitação e o manejo das armas utilizadas por um cavaleiro. Aos doze anos de idade o aprendiz era transformado em escudeiro. Nessa época, ele acompanhava o seu senhor nos campos de batalha e aprofundava os seus conhecimentos sobre o manejo da espada. Além disso, aprimorava a sua condição física em lutas, corridas e desafios de esgrima.

Além dos nobres e servos, havia também o clero, que tinha um poder soberano sobre a sociedade. A temível Inquisção nasceu também durante a Idade Média e sob a influência do clero. Inicialmente formada para combater alguns grupos que adoravam plantas e animais, a chamada “caça às bruxas” espalhou-se e massacrou inúmeros considerados hereges. Os terríveis métodos de tortura e a forma implacável dos inquisidores é um dos elementos mais marcantes dessa prática da igreja.

Outro movimento ligado ao clero na Idade Média foram as Cruzadas. Estas foram vários movimentos militares de inspiração cristã para a retomada da “terra santa”, a Palestina, que havia sido tomada pelos turcos muçulmanos. O termo cruzada surgiu porque seus participantes se consideravam soldados de Cristo, distinguidos pela cruz aposta a suas roupas. As Cruzadas eram também uma peregrinação, uma forma de pagamento a alguma promessa ou uma maneira de pedir alguma graça Ir a uma cruzada era considerado uma penitência.

Outro elemento que causa horror ao se lembrar da Idade Média foi a peste negra. A doença dissiminou-se através das baixas condições de higiene da época sendo transmitida por ratos pretos e pulgas. Estima-se que a peste negra foi responsável pelo extermínio de cerca de um terço da população da época. Embora existam alguns que defendam que há exagero nesses dados, essa doença contribuiu ainda mais para aumentar a turbulência dessa época sombria.

A Idade Média foi uma época bastante selvagem e sombria da História, dita por muitos como a Idade das Trevas. Se por um lado ela era repleta de horror e selvageria, por outro houve muito heroísmo e misticismo espalhados por esse povo assustado e massacrado. Talvez seja por isso que, embora vindos de uma época cruel, esses elementos são tão interessantes e ainda rendem até hoje histórias que tanto nos fascinam e inspiram.

______________________________________________________

Veja também:

Game of Thrones – Debate de Final de Temporada
Confira um papo sobre as percepções dessa segunda temporada da adaptação de George R. R. Martin.

Matéria de Capa – A Maior Batalha Épica: Concluir uma Saga
Documentário sobre a trajetória do autor Leandro Reis na sua trilogia: O Legado Goldshine.

Nosso Livro do Mês – O Nome do Vento de Patrick Rothfuss
Simone O. Marques indica essa obra que é recheada de personagens interessantes.


Comentários (7) | Comente:

Nome:
Email:
Site:
Comentário:

Pedro Viana comentou em 09/07/2012, às 14:53:

Sou completamente apaixonado pela Idade Média (não é a toa que gosto tanto d’As Crônicas de Gelo e Fogo). Concordo plenamente com o que foi dito na matéria. Mesmo em tempos sombrios, havia heroísmo (e misticismo). Se um dia eu encontrar uma Máquina do Tempo dando sopa por aí, tenho certeza que irei visitar a Idade Média, kkkk.

Luiz Ehlers comentou em 10/07/2012, às 20:28:

Eu não voltava para essa época não, Pedro ehehehe Vida difícil eih hehehe

Aldemir Alves comentou em 18/07/2012, às 14:01:

Já eu, gostaria de voltar naquela época, esse negocio de arma de fogo é muito injusto, qualquer um pode entrar em uma batalha contra 4 adversários e sair vitorioso kkkk.
Agora na época medieval, quanto as batalhas eram disputadas no puro aço; espadas, adagas e etc, só mesmo quem era habilidoso, bem treinado, forte e astuto, conseguiria ser considerado um “Soldado”, hehehe…

Thiago Vieira comentou em 19/07/2012, às 13:15:

Visitando aqui…
Também gosto muito da Idade Média (não a ponto de querer voltar para ela, muito longe disso, haha!). Acho um período obscuro não por si, mas pela falta de material credível sobre essa época. Apesar do “glamour” é preciso entender que a Idade Média foi um período que durou um baita tempo (desde a queda de Roma até a formação dos Burgos dos Estados Absolutistas lá pelo século XV) e teve muito arrocho.

Arrocho por parte do Clero que centralizava o conhecimento em seus monastérios e dos Senhores Feudais que cobravam duras taxas dos camponeses para utilizarem suas “terras” e produzir para eles em troca de “proteção”. Ao contrário do nome “trevas” é um período muito rico e fértil, mas que carece de um olhar mais crítico.

As vezes a fantasia de alguns livros acaba dando uma falsa visão de que tudo era massa e que imensas guerras se arrastavam pelos campos. Pode até ter sido (não estive lá, oras), mas duvido muito que nessas grandes batalhas os “heróis” os lideres fossem realmente para a linha de frente dar “a cara a tapa” (o corpo todo, melhor dizendo) sendo que uma espadada, ou machadada (ou qualquer outra arma) poderia acabar com sua vida.

Enfim, é uma época muito interessante e muito explorada, mas que ainda pode ser explorada ainda mais. E eu acho que me perdi. :b

Aldemir Alves comentou em 25/07/2012, às 15:15:

Thiago, haha é verdade o que disse, com certeza as histórias de fantasia aumentam muito os acontecimentos vividos na época medieval. Imagine se um homem conseguiria entrar em uma batalha e sobreviver a tantas espadas vindo em sua direção. Duvido que existiu um Akiles na vida real. Já imaginou vários espetos de churrasco vindo em nossa direção? Com certeza seriamos espetados e iriamos parar na churrasqueira kkkkkkk

Há verdade era que os reis medievais eram governantes, parecidos com os políticos de hoje em dia, poucos participavam diretamente de uma batalha por conquista de outros continentes, ou países.

Mas mesmo assim, eu achar uma maquina do tempo perdida por ai, queria muito voltar a idade média ^^

Junior Soares comentou em 06/04/2013, às 21:10:

Muito Bom o Modo Em Que Foi Colocado a Idade Média, Gostei e Sei Que a De Se De Grande Ajudar o Meu Grupo De Seminario. Obrigado ;)

myllena comentou em 07/04/2014, às 08:33:

eu queria saber oq as armas significava

Livraria Fantástica | Papo Fantástica | EM FOCO | REPORTAGENS | LANÇAMENTOS | MATÉRIA DE CAPA | RADAR | INDICAÇÕES | Livro Tributo | Espaço Fantástica | Parceiros
72dpis Web Design