category

Saúde

Vitamina para Gestante: Saiba Como Escolher a Suplementação Ideal

A jornada da gravidez é marcada por muitas emoções e mudanças, tanto físicas quanto emocionais. Uma das principais preocupações das gestantes é garantir que estão recebendo todos os nutrientes essenciais para a saúde do bebê e para a própria saúde.

A suplementação vitamínica adequada pode ser sua aliada nessa missão. Vamos juntos descobrir como escolher a suplementação ideal?

Vitamina para Gestante
Vitamina para Gestante

Entendendo as Necessidades Nutricionais na Gravidez

Durante a gravidez, seu corpo trabalha dobrado para sustentar o seu bebê em desenvolvimento.

Isso significa que suas necessidades nutricionais aumentam significativamente.

Aqui estão algumas vitaminas e minerais essenciais para uma gravidez saudável:

  1. Ácido Fólico (Vitamina B9)
    • Por que é importante? Previne defeitos do tubo neural e auxilia no desenvolvimento do cérebro e medula espinhal do bebê.
    • Fontes naturais: Folhas verdes escuras, leguminosas e cítricos.
  2. Ferro
    • Por que é importante? Essencial para a produção de hemoglobina. Aumenta o volume de sangue materno.
    • Fontes naturais: Carnes vermelhas, feijão e cereais fortificados.
  3. Cálcio
    • Por que é importante? Crucial para a formação dos ossos e dentes do bebê.
    • Fontes naturais: Produtos lácteos, brócolis e tofu.
  4. Vitamina D
    • Por que é importante? Ajuda na absorção de cálcio.
    • Fontes naturais: Exposição solar e peixes gordurosos.
  5. Ômega-3
    • Por que o ômega 3 é importante? Apoia o desenvolvimento cerebral e ocular do bebê.
    • Fontes naturais: Peixes gordurosos, sementes de linhaça e nozes.

Como Escolher a Suplementação Ideal?

Escolher a suplementação correta pode ser um desafio com tantas opções disponíveis no mercado. Veja algumas dicas que podem ajudar nessa decisão:

  1. Consulte seu Médico ou Nutricionista
    • Por que? Eles podem avaliar suas necessidades individuais, baseadas em exames de sangue e histórico médico.
  2. Leia os Rótulos
    • Por que? Nem todas as vitaminas pré-natais são iguais. Verifique se contêm as quantidades recomendadas de ácido fólico, ferro, cálcio e vitamina D.
  3. Evite Excesso de Vitaminas
    • Por que? Algumas vitaminas, como A e E, podem ser prejudiciais em excesso. Siga as recomendações médicas.
  4. Opte por Marcas Confiáveis
    • Por que? A qualidade dos ingredientes pode variar. Escolha marcas reconhecidas e aprovadas por órgãos reguladores.

Perguntas Frequentes

1. Posso tomar suplementação vitamínica por conta própria? Não. Sempre consulte seu médico antes de iniciar qualquer suplemento. As necessidades podem variar de pessoa para pessoa.

2. A vitamina para gestante pré-natal substitui uma alimentação saudável? Não. A suplementação deve ser um complemento e não um substituto para uma dieta equilibrada.

3. Preciso de todas essas vitaminas mesmo com uma dieta balanceada? Possivelmente. Apesar de uma boa alimentação, as necessidades aumentadas durante a gravidez podem fazer a suplementação necessária.

Escolher a suplementação vitamínica correta durante a gravidez é essencial tanto para sua saúde quanto para a do seu bebê.

Consulte sempre um profissional de saúde, seja ele médico ou nutricionista, para orientações específicas. Lembre-se, uma escolha informada é uma escolha saudável.

Com tanta coisa para pensar e planejar, espero que essa guia rápida tenha facilitado um pouco a sua jornada. Cuide de você e aproveite cada momento dessa fase incrível!

Gestante pode tomar Omega 3? Descubra agora mesmo!

Durante a gestação, o corpo da mulher passa por diversas mudanças e a nutrição adequada se torna ainda mais crucial. Uma questão comum que surge é: gestante pode tomar Omega 3?.

Gestante pode tomar Omega 3?
Gestante pode tomar Omega 3?

O Que é Omega 3?

Antes de entrarmos nos detalhes específicos sobre a ingestão de Omega 3 durante a gestação, é importante entender o que essa substância realmente é. Omega 3 é uma família de ácidos graxos essenciais que desempenham papéis cruciais em nosso corpo. Os principais tipos de Omega 3 são:

  • Ácido eicosapentaenoico (EPA)
  • Ácido docosahexaenoico (DHA)
  • Ácido alfa-linolênico (ALA)

EPA e DHA são encontrados principalmente em peixes e frutos do mar, enquanto ALA é encontrado em alimentos como sementes de linhaça, chia e nozes.

A Importância do Omega 3 na Gestação

Os benefícios do Omega 3 durante a gestação são amplamente documentados. Estudos indicam que tanto o EPA quanto o DHA desempenham papéis cruciais no desenvolvimento neurológico e visual do feto. Isso porque esses ácidos graxos são componentes essenciais das membranas celulares no cérebro e nos olhos.

Vantagens do Omega 3 para a Mãe:

  • Redução do risco de depressão durante a gestação
  • Melhora na saúde cardiovascular
  • Regulação dos níveis de inflamação no corpo

Vantagens do Omega 3 para o Bebê:

  • Melhora no desenvolvimento neurológico e visual
  • Redução do risco de partos prematuros
  • Aumento do peso ao nascer

Fontes de Omega 3 Seguras para Gestantes

Existem diferentes formas de consumir Omega 3, e algumas são mais seguras e eficazes durante a gestação. Aqui estão algumas fontes recomendadas:

  • Peixes de águas frias: Salmão, sardinha e anchova são ricos em EPA e DHA. No entanto, é importante escolher peixes com baixos níveis de mercúrio.
  • Suplementos de Omega 3: Os suplementos de óleo de peixe são geralmente considerados seguros, mas deve-se optar por produtos de alta qualidade e livres de metais pesados, como esse omega 3.
  • Fontes vegetais: Sementes de linhaça, chia e nozes são boas opções de ALA, embora não sejam tão eficazes quanto as fontes marinhas em termos de conversão para EPA e DHA.

Como Consumir Omega 3 de Forma Segura na Gestação

Agora que entendemos a importância e as fontes seguras de Omega 3, é crucial saber como consumir essa substância de forma segura durante a gestação.

  • Consulte seu médico: Antes de iniciar qualquer suplementação, converse com seu médico para discutir suas necessidades específicas e qualquer contraindicação.
  • Opte por suplementos de alta qualidade: Escolha suplementos que sejam purificados e testados para metais pesados e outras toxinas.
  • Atenha-se às doses recomendadas: Embora o Omega 3 seja benéfico, consumir em excesso pode levar a efeitos colaterais. A dose recomendada geralmente varia entre 200-300 mg de DHA por dia para gestantes.
  • Evite peixes com alto teor de mercúrio: Peixes como tubarão, cavala e peixe-espada devem ser evitados devido ao alto risco de contaminação por mercúrio.

Leia Também: Cuidados com a pele no verão, quais devo tomar?

Mitos e Verdades sobre o Consumo de Omega 3 na Gestação

No campo da suplementação, especialmente durante a gestação, não faltam mitos e informações confusas. Aqui estão alguns dos mais comuns:

  • Mito: “Todo tipo de peixe é seguro para consumo durante a gestação.”
    Verdade: Nem todos os peixes são seguros devido ao risco de contaminação por mercúrio. É essencial escolher peixes com baixo teor de mercúrio.
  • Mito: “Você não precisa de suplemento se consumir Omega 3 de fontes alimentares.”
    Verdade: Suplementos podem ser necessários se a ingestão dietética não atender às necessidades recomendadas.
  • Mito: “Mais Omega 3 significa mais benefícios.”
    Verdade: Consumir doses muito altas pode levar a efeitos colaterais, incluindo problemas de coagulação sanguínea.

Estudos e Pesquisas Relevantes

Várias estudos e pesquisas ao longo dos anos têm comprovado os benefícios do Omega 3 durante a gestação. Um estudo publicado no “American Journal of Clinical Nutrition” concluiu que a ingestão adequada de DHA está associada a um menor risco de partos prematuros.

Outro estudo, publicado no “Journal of Perinatal Medicine,” descobriu que a suplementação com Omega 3 em mulheres grávidas reduziu o risco de desenvolvimento de asma em seus filhos.

Esses estudos reafirmam a importância de considerar a suplementação de Omega 3 durante a gestação, bem como de escolher fontes seguras e eficazes.

Em resumo, a resposta para a pergunta “gestante pode tomar Omega 3?” é sim. No entanto, é essencial fazê-lo sob orientação médica e optar por fontes seguras e de alta qualidade. Os benefícios são amplos tanto para a mãe quanto para o bebê, promovendo um desenvolvimento fetal saudável e melhorando a saúde materna.

Lembre-se, a saúde é o bem mais precioso e cuidar dela durante a gestação é fundamental para garantir o bem-estar da mãe e do bebê.

Adoçante faz mal a saúde

Essa é uma dúvida na hora que optamos por uma alimentação saudável. Primeiro devemos conhecer os tipos de adoçantes e açúcares.

Adoçante é uma substância usada pra tornar os alimentos mais doces em menores quantidades, pois adoça mais que a sacarose (açúcar). Temos os adoçantes artificiais e os naturais.

ADOÇANTES ARTIFICIAIS

  • Aspartame – é uma substância composta por ácido aspártico, fenilalanina e metanol, tem menos de 4 calorias, é 180 vezes mais doce que o açúcar e por ter um sabor bem parecido é muito utilizado pelos brasileiros. Ele é encontrado em muitos refrigerantes diet. É comprovado que o ácido aspártico provoca lesões no cérebro em animais. A fenilalanina é neurotóxica quando isolada dos outros aminoácidos, podendo causar até ataques epiléticos. O metanol depois de ingerido transforma-se em formaldeído e ácido fórmico, substância usada para embalsamar cadáveres. Além de provocar vários outros sintomas como dor de cabeça, dormência, fadiga, espaços musculares, GANHO DE PESO e diversos outros efeitos colaterais, a longo, médio e curto prazo, depende de cada organismo. Não acho uma boa idéia colocá-lo em sua dieta!
  • Ciclamato de sódio – É uma substância derivada do petróleo. A ciclo-hexilamina é o principal metabólico do ciclamato de sódio, tem efeitos cancerígenos. Esse adoçantes tem sido usado em muitos produtos industrializados como sucos, refrigerantes, biscoitos, sorvetes e até em suplementos alimentares.A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aqui no Brasil está restringindo a concentração dessa substância, o limite máximo permitido é de 40mg a 56mg a cada 100ml ou 100gramas. Péssima idéia usá-lo!
  • Acessulfame de Potássio (Acessulfame-K) – é um adoçantes sem calorias, é 200 vezes mais doce que o açúcar (sacralose), não é metabolizado pelo organismo, é considerado seguro para saúde, pode ser usado por todos, até crianças e mulheres grávidas. Tem solubilidade rápida e é estável ao calor, podendo ser usado em culinária e panificações. O PH é estável com longa vida útil, sem sódio, é adequado para diabético e não promove cáries nos dentes. Aprovado para sua dieta!
  • Tagatose – Está em pequenas quantidades nos produtos lácteos. É produzida comercialmente a partir da lactose (do leite), a qual é primeiramente hidrolisada em glicose e galactose e ao adicionar o hidróxido de cálcio, a galactose é isomerizada sob condições alcalinas para D-tagatose. A mistura será purificada e a tagatose sólida é produzida por cristalização. A Tagatose tem 1,5 calorias por grama, não aumenta os níveis de insulina e glicose do sangue, pois não é absorvida pelo organismo. Em consumo excessivo pode ocorrer gases ou diarréias. Como ainda é nova no mercado, não se sabe ao certo seus efeitos colaterais. Esperaria mais estudos para usá-la em sua dieta!
  • Sacarina – é o adoçante mais antigo, é obtido de substâncias derivadas do petróleo, o ácido toluenos sulfônico e do sulfonobenzóico. Não tem calorias, mas tem alta quantidade de sódio, não podendo ser usado por hipertensos. Seu pode de adoçar é 700 vezes maior que o açúcar refinado, mas deixa um sabor amargo, residual na boca. Quem tem alergia a sulfa não pode utilizá-lo. Estudos mostraram que a sacarina teve ligado a o aparecimento de tumores na bexiga, seu uso foi limitado por isso. Tem estabilidade a altas temperaturas. Será que vale a pena colocá-lo em sua dieta?
  • Sucralose – é extraída da cana de açúcar, a partir da sacarose, tem moléculas de cloro em sua composição, não assim absorvido pelo organismo. Pode ser consumido por quem tem diabetes, grávidas e pessoas com pressão alta, pois não eleva a glicemia. Não tem calorias e adoça 600 vezes mais que o açúcar. Pode ser usada na maioria dos alimentos e bebidas, mantém o sabor doce por longo período, até mesmo durante o cozimento e assar dos alimentos. Até o momento a sucralose é considerada segura, não foi comprovado nenhum efeito nocivo ao ser humano. Não tem sabor residual amargo, é muito utilizada em produtos diet., zero e light. Aprovado para sua dieta!

ADOÇANTES NATURAIS

  • Agave azul – é um adoçante extraído de uma planta mexicana, tem o mesmo tipo de açúcar encontrado nas frutas a frutose. Ele tem menos calorias e adoça mais que o açúcar, é isento de contaminação química (orgânico), apesar de ter índice glicêmico menor, não é recomendável para diabéticos. Não contém glúten, nem lactose! Ele é um ótimo potencializador de sabor, aprimorando o sabor de outros ingredientes como frutas e cereais. Ainda tem o extrato que você pode usar em chá, café, sucos, pães, sobremesas e diversas receitas. Se você não tem diabetes é uma ótima opção para adoçar seus alimentos!
  • Esteviosídeo – Stévia – extraído da planta stevia rebaudiana, planta nativa da América do Sul, adoça 300 vezes mais que a sacarose, não contém calorias e seu sabor não é modificado pelo aquecimento, podendo ser usado em diversas receitas e em bebidas quentes. Estudos mostraram que ela tem o poder de prevenir o crescimento bacteriano nos dentes, regula a pressão arterial, é diurética, regula os níveis de açúcar no sangue. Ao comprar esses adoçantes verifique se ele não é associado com outros adoçantes (como sacarina,ciclamato). Bom para incluir na sua dieta!
  • Frutose – é extraído de frutas e mel, 173 vezes mais doce que o açúcar refinado, tem 4 kcal/g e provoca cáries, diabéticos devem usá-lo com moderação, pois eleva os níves de açúcar no sangue. Usar com moderação!
  • Polióis ou açúcar alcoólico (maltitol, sorbitol, manitol, eritritol, xilitol) – é usado para adoçar diversos alimentos industrializados sem açúcar como biscoitos, refrigerantes, pastilhas, anticépticos bucais, pasta de dente. Ele adoça 60% mais que a sacarose, os diabéticos podem usar com moderação, pois não aumentam a glicose. Mas uma superdosagem pode causar inchaço, gases e diarréias, pois altos níveis de açúcar não são absorvidos pelo intestino. Usando com moderação e cuidado não prejudica a saúde!

Segue os links da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), é sempre bom estar por dentro: